Rua Antônio Lisboa Sader Garcia, 51, Cidade Nova - Itaperuna-RJ
+55 22 99832-2992
contato@luizctsilva.adm.br

Questão 22 do ENADE 2012 não é pegadinha! É uma questão acima de tudo conceitual.

Artigos

Questão 22 do ENADE 2012 não é pegadinha! É uma questão acima de tudo conceitual.

Um microempresário está avaliando a captação de recursos com o objetivo de implementar um projeto de substituição de equipamentos de sua empresa. Do total dos recursos necessários, 40% serão financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), ao custo de 10% a.a.; 10% dos recursos serão obtidos de uma linha de crédito do banco com o qual a empresa mantém relacionamento, ao custo de 18% a.a.; e o restante dos recursos necessários virão dos lucros retidos pela empresa.Com base nas especificações da captação de recursos acima descrita e desconsiderando o risco do projeto e os efeitos do imposto de renda, avalie as afirmações seguintes.
I. O custo de capital de terceiros do projeto de substituição é de 5,80% a.a.
II. Se a rentabilidade do projeto está estimada em 17% a.a., então o custo de capital próprio desse investimento deve ser inferior a 22,40% a.a., para que o empreendimento seja viável.
III. A expansão do endividamento deve promover aumento no custo de capital próprio da empresa.

correto o que se afirma em:
a) I, apenas.
b) II, apenas.
c) I e III, apenas.
d) II e III, apenas.
e) I, II e III.

A resposta correta indicada no gabarito é a letra D.

Solução:
Avaliando a afirmativa I

O Custo Médio Ponderado do Capital de Terceiros (GITMAN, p.445) é encontrado pelo seguinte cálculo:


(0,4 x 10) + (0,1 x 18) = 4 + 1,8 = 5,8% a.a.
Observe que este é o Custo MÉDIO PONDERADO do Capital de Terceiros e não o Custo do Capital de Terceiros.

O Custo do Capital de Terceiros será obtido dividindo o Custo Médio Ponderado do Capital de Terceiros pela participação do Capital de Terceiros (50%).

5,8/(0,4 + 0,1) = 5,8/0,5 = 11,6% a.a. (Custo do Capital de Terceiros)

Assim, pode-se dizer que a Afirmativa I é falsa.

Avaliando a afirmativa II

Se a rentabilidade do projeto está estimada em 17% a.a., então o Custo Médio Ponderado de Capital máximo deverá ser de 17% para que o projeto não dê prejuízo. Entretanto, quando o Custo Médio Ponderado de Capital é igual à rentabilidade do Projeto (Taxa Interna de Retorno), ganha-se nada.

Assim:
17% – 5,8% = 11,2% a.a.

11,2% a.a. é o Custo Médio Ponderado de Capital Próprio máximo para que o projeto seja viável.

Se 11,2% a.a. é o Custo Médio Ponderado de Capital Próprio, então o Custo de Capital Próprio será:

11,2/0,5 = 22,4% a.a. (Para não ganhar nada, empatando custos com rentabilidade).

Segundo Gitman (2012, p.371), “Quando usamos a TIR para tomar decisões de aceitação-rejeição, os critérios são: Se a TIR for maior do que o custo de capital, aceitar o projeto. Se a TIR for menor do que o custo de capital, rejeitar o projeto.” Ainda segundo o referido autor, isso garante “que a empresa receba, pelo menos, o retorno requerido”.

Se para aceitar um projeto, o retorno precisa ser maior que o custo, então a Afirmativa II é verdadeira. Para que o projeto seja aceitável, ele deverá ter custo de capital próprio inferior a 22,4%. Somente assim gerará algum resultado. Se o custo de capital próprio for igual a 22,4%, o projeto não gerará resultado. Haverá empate entre custo e rentabilidade. Se o custo de capital próprio for superior a 22,4%, o projeto resultará em prejuízo.


Avaliando a afirmativa III

Segundo Gitman (2012, p.55) o grau de endividamento mede “o montante do capital de terceiros em relação a outros valores significativos do balanço patrimonial.”
Assim, entende-se que expandir o endividamento é aumentar a participação do capital de terceiros na estrutura de capital. Isso promove aumento do custo de capital próprio?

Vejamos:

Situação atual:
Estrutura de Capital = 50% Capital Próprio e 50% Capital de Terceiros

Custo Médio Ponderado do Capital de Terceiros = (0,4 x 10) + (0,1 x 18) = 4 + 1,8 = 5,8% a.a.
Custo do Capital de Terceiros = 5,8/0,5 = 11,6% a.a.
Custo Médio Ponderado do Capital Próprio = 17% – 5,8% = 11,2% a.a.
Custo do Capital Próprio = 11,2/0,5 = 22,4% a.a.

Aumentando o endividamento:
Estrutura de Capital = 30% Capital Próprio e 70% Capital de Terceiros

Custo Médio Ponderado do Capital de Terceiros = (0,5 x 10) + (0,2 x 18) = 5 + 3,6 = 8,6% a.a.
Custo do Capital de Terceiros = 8,6/0,7 = 12,29% a.a.
Custo Médio Ponderado do Capital Próprio = 17% – 8,6% = 8,4% a.a.
Custo do Capital Próprio = 8,4/0,3 = 28% a.a.

A Afirmativa III é verdadeira.

Comentário de Luiz Claudio Tavares Silva
Referências
GITMAN, Lawrence J. Princípios de Administração Financeira. 12.ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

Deixe uma resposta

×

Olá!

Clique em um dos contatos abaixo para iniciar uma conversa via WhatsApp ou envie um e-mail para contato@luizctsilva.adm.br

×